Israel detecta US$ 134 milhões em Criptomoedas para o Hamas e outro Grupo

quem-financia-o-hamas-criptomoedas-guerra-de-israel

A organização terrorista Hamas e suas afiliadas receberam milhões em doações de criptomoedas, de acordo com um relatório do Wall Street Journal com base em dados da empresa de forense Elliptic e da empresa de software BitOK, sediada em Tel Aviv.

As notícias do “The Telegraph” do Reino Unido e do “Wall Street Journal” dos Estados Unidos revelaram que o Hamas e a Jihad Islâmica Palestina, dois grupos terroristas operantes nos territórios palestinos, obtiveram uma impressionante soma de aproximadamente US$ 134 milhões (equivalente a cerca de R$ 680 milhões) em criptomoedas nos meses mais recentes.

Relacionado:

O grupo Jihad Islâmica Palestina recebeu US$ 93 milhões em criptomoedas entre agosto de 2021 e junho de 2023, de acordo com a Elliptic. E ao longo dos últimos dezoito meses, o grupo Hamas recebeu uma quantia próxima a US$ 41 milhões, como reportado pela BitOk, uma empresa de Israel especializada no rastreamento de transações com criptomoedas.

A atual escalada de conflitos teve início no último sábado, 7 de outubro, quando o Hamas, saindo da Faixa de Gaza, surpreendeu Israel com ataques direcionados a cidades, comunidades rurais e até mesmo uma festa rave em solo israelense. Em resposta, Israel declarou guerra no mesmo sábado.

Estados Unidos dificulta financiamento do Hamas

O governo dos Estados Unidos designou o Hamas como uma organização terrorista, e como tal, têm buscado dificultar o financiamento de grupos desse tipo por meio da imposição de sanções no sistema financeiro tradicional. Consequentemente, as criptomoedas se tornaram um meio para contornar essas penalidades.

Entretanto, vale destacar que as atividades envolvendo criptoativos não estão imunes a monitoramento. Em abril, o próprio Hamas anunciou a suspensão das doações em criptomoedas devido a preocupações relacionadas à segurança dos doadores.

Hamas e criptomoedas

As criptomoedas são frequentemente vistas como um método de financiamento dissimulado para grupos e nações que estão excluídos do sistema financeiro global controlado pelos Estados Unidos. 

Hackers norte-coreanos, por exemplo, conseguiram obter milhões de dólares em criptomoedas hackeando diversos protocolos e projetos. Devido à natureza de preservação de privacidade de muitas criptomoedas, essas movimentações de fundos são difíceis de rastrear, o que aumenta a preocupação das agências governamentais. 

“Isso não é uma tarefa fácil”, disse o Ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, ao WSJ.

O CoinDesk informou em junho que a ala militar do Hamas, conhecida como Brigadas Izz ad-Din al-Qassam, havia recebido até US$ 100.000 em Bitcoin (BTC) desde o início de 2021, com um aumento nas doações em maio, quando Israel e o Hamas trocaram ataques de foguetes. 

A exchange Binance esteve no centro das transações, de acordo com dados de três empresas de análise de blockchain e a análise do CoinDesk.

No entanto, as criptomoedas não são a principal fonte de financiamento do Hamas e de grupos afiliados, como a Jihad Islâmica Palestina e o Hezbollah, com sede no Líbano. 

Irã a maior fonte de financiamento do Hamas

O Irã é de longe a maior fonte de financiamento, chegando a US$ 100 milhões por ano, de acordo com o governo dos Estados Unidos. 

“As criptomoedas são uma parte muito pequena da estratégia de arrecadação de fundos do Hamas.A maior parte é financiada pelo Estado”, afirmou Ari Redbord, chefe de assuntos legais e governamentais da empresa de inteligência em blockchain TRM Labs, ao CoinDesk. 

“Existe um foco nisso porque estão tentando cortar o financiamento de qualquer maneira, mas é uma parte relativamente pequena do quadro geral.”

Entenda a guerra entre o Hamas e Israel

Entenda a guerra entre o Hamas e Israel
  • Qual foi a origem do conflito entre o Hamas e Israel? A mais recente escalada de tensões na região teve início em 7 de outubro, quando o Hamas surpreendeu com um ataque repentino contra Israel. Esse foi o ato de agressão mais grave contra o território israelense em cinco décadas, pegando os serviços de inteligência do país de surpresa, que não conseguiram antecipar a preparação de uma ofensiva de tal magnitude.
  • O que representa o Hamas? Esse grupo classificado como terrorista é uma das maiores organizações islâmicas atuantes nos territórios palestinos. Desde 2007, ele exerce controle sobre a Faixa de Gaza. Países como os Estados Unidos e o Reino Unido consideram o Hamas como uma entidade terrorista. Confira o vídeo a seguir para uma visão mais abrangente sobre esse grupo.
  • Como se desenrolou o ataque? As operações se concentraram nas proximidades da fronteira da Faixa de Gaza, de onde o Hamas lançou cerca de 5 mil foguetes. Além disso, homens armados utilizaram diversos meios, incluindo terra, ar, mar, motos e parapentes, para invadir o território israelense a partir do sul do país. Surgiram relatos de que esses invasores abriram fogo contra pessoas nas ruas e sequestraram dezenas de israelenses, inclusive mulheres e crianças, que foram levados como reféns para Gaza.
  • Como Israel respondeu a essa situação? Em face da ofensiva conduzida pelo Hamas, o governo israelense iniciou uma ação de retaliação. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou: “Estamos em um estado de guerra e sairemos vitoriosos.” Logo após o ataque, Israel lançou bombardeios em direção à Faixa de Gaza, marcando o início de uma série de eventos subsequentes.

Deixe um comentário